60% do jornalismo investigativo é financiado por fundações, não pela mídia

O dado apresentado pelo jornalista Mark Hunter, fundador do Global Investigative Journalism Network, no estudo Global Trends in Investigative News Media, compromete ainda mais o discurso temeroso da indústria da mídia de que a superficialidade do CGA (conteúdo gerado pela audiência) possa fazer sucumbir o bom jornalismo representado por ela própria, a indústria.

Cheguei a essa apresentação depois de ler um interessante texto publicado no EditorsWebLog.org, Looking at the future of news at the OECD. Nele, Hunter ressalta a importância de instituições como o Greenpeace e cita o caso da Exxon como um bom exemplo de jornalismo investigativo feito longe dos modos convencionais de captação.

Em tempo: o dado se refere ao mercado americano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *