A escolha da rede social certa

A ansiedade por participar desse universo em rápida expansão que é a internet social leva as empresas e instituições a criar perfis e contratar pessoas para criar conteúdo com uma urgência muitas vezes indevida. A pressa leva a escolhas erradas e insatisfação com os resultados.

A primeira coisa que uma empresa ou instituição que não tem cultura digital e não está habituada a usar as redes sociais para interagir com seu público deve fazer é observar. Se você é um iniciante, primeiro monitore o que as redes revelam sobre sua empresa, suas marcas, seus produtos e seus concorrentes. Faça isso sem atuar, sem ter ainda uma conta em redes sociais. O aprendizado com a observação, com o monitoramento, vai levar às redes sociais mais adequadas, aquelas que vão ajudar a construir um melhor relacionamento e obter melhores resultados na atividade que se vai implementar.

O aprendizado pode se dar de outras maneiras, sem ainda uma presença digital e até sem uma monitoração prévia, com pequenos gestos que ajudam na iniciação. Vou dar um exemplo. São Paulo terá mais uma edição da Restaurant Week. Por uma semana, 200 restaurantes do estado oferecerão um cardápio especial completo por um preço fixo, no almoço e no jantar. O evento tem, além do site, conta no Twitter e página no Facebook. Fiquei pensando na razão pela qual o evento não está presente no Foursquare, a primeira rede social que eu estudaria ter uma presença. Embora me pareça muito adequada, os organizadores optaram por não criar um vínculo com a rede. Devem ter seus motivos. Afinal, das 400 mil pessoas esperadas, 45 mil já aderiram à fan page no Facebook. Para os restaurantes, no entanto, há uma oportunidade de criar um relacionamento com esses novos clientes que vão experimentar o cardápio aproveitando os preços mais baixos da semana.

Chegando, enfim, no exemplo do pequeno gesto, o restaurante poderia elegantemente colocar um cartão em frente a cada comensal oferecendo a senha de seu wi-fi,  convidando-o a fazer um check-in no Foursquare, ler o que outros clientes escreveram sobre o restaurante e pedindo que deixem suas dicas para os próximos. É um modo de fazer com que cada cliente compartilhe as suas sensações com as suas redes de relacionamento, mas é um pouco mais. Ao sugerir o uso do wi-fi, a casa lembra indiretamente ao cliente que ele pode fazer imagens para Instagram, Pinterest ou Facebook, comentários em outras redes sociais ou simplesmente dizer aos seus amigos onde ele está, o que não deixa de ser um check-in.

Um comentário sobre “A escolha da rede social certa

  1. Subject: TORCEDORES BRASILEIROS
    Date: Wed, 28 Mar 2012 19:21:52 +0000

    Amigos se voces concordam com este desabafo, repasse o e-mail para seus amigos!

    DESABAFO

    Triste imprensa esportiva do Brasil.

    Certos comentaristas torcem tanto para nossos talentos irem embora do País, que fazem verdadeiras campanhas, diariamente nos seus programas, que enchem o saco de qualquer cidadão. Neymar, Ganso, Lucas e Cia., demonstraram que não agüentam mais os comentários, as mesmas perguntas e comparações. Já que gostam tanto e admiram os Clubes Europeus, o melhor que fazem se tiver competência é ir trabalhar na Espanha ou outro País qualquer, assim, vão poder bajular Messi e Cia à vontade, no caso das comentaristas, além da bajulação, podem até dar algo a mais pra eles.

    No mínimo, é muito estranho a insistência e o consentimento das emissoras, porque os maiores interessados nessas transferências são Procuradores, Empresários e Dirigentes inescrupulosos, haja vista, que não tem compromisso com o clube, nem com os torcedores, cujo único objetivo é sempre engordar suas contas bancárias, sem contribuir em nada para o crescimento dos clubes e do futebol Brasileiro.

    E qual o interesse da imprensa em esvaziar os estádios?

    Certamente deve ser para baixar mais ainda, os preços cobrados nas transmissões dos jogos, podendo assim, nesses horários, preencher espaços pela falta de programas interessantes.

    Dirigentes de visão e bem intencionados, certamente não entram mais nessa. Quem mantém o clube e paga o salário dos jogadores, são os torcedores as logomarcas dos patrocinadores usadas nos uniformes, assim como a venda das transmissões para TV.

    Para conseguir bons patrocínios, é necessário que o clube ganhe títulos e tenha um grande número de torcedores, que compram camisetas e lotam os estádios.

    Para ganhar campeonatos, o clube precisa investir na sua estrutura, começando com á administrativa, trabalhar como empresa, criar projetos e metas, ter diretores competentes, unidos, comprometidos, com a mesma visão empresarial e dispostos a trabalhar para alcançar os mesmos objetivos. Precisa de um CT e DM de qualidade, precisa de um bom elenco de jogadores, precisa da confiança da torcida para manter comissão técnica deixando que a mesma desenvolva seu trabalho com tranqüilidade.

    Para aumentar seu quadro social e conseguir novos torcedores, o clube precisa estender a mesma estrutura, principalmente para as divisões de base, com uma comissão técnica de alto nível, capaz de descobrir talentos, para que se tornem ídolos da equipe principal e possa motivar crianças e jovens vir torcer pelo clube, a exemplo do que esta acontecendo com o Santos de “Neymar”.

    Só pra lembrar, os clubes que contavam com grandes ídolos, conseguiam fazer amistosos e cobravam taxas diferentes, contratos mais lucrativos com a presença dos seus ídolos nos jogos, exemplo de Pelé, Garrincha, Rivelino, Ademir, Tostão, Zico, Sócrates e outros, que jogavam para ganhar, dando espetáculo e lotavam os estádios, davam lucro.

    Sinto-me triste e decepcionado, quando vejo uma criança usando a camiseta de um clube europeu e fico furioso, porque isso só acontece devido à propaganda que a imprensa faz, não só do Barcelona, como de todos os outros.

    Chega, nós torcedores, não podemos permitir que a mídia manipule a saída dos nossos craques, nós queremos ver grandes jogos e aplaudir nossos ídolos nas arenas do Brasil, queremos nossos filhos vestindo com orgulho a camisa dos nossos clubes, queremos uma seleção escalada com jogadores que estejam atuando em nossos clubes em nosso País.

    Vamos levar para os estádios nossa insatisfação, substituindo os cartazes que enaltecem os comentaristas, por cartazes de protesto, pedindo a permanência dos nossos ídolos.

    Manda Messi vir jogar no Brasil, disputar o campeonato estadual, copa do Brasil, libertadores tudo ao mesmo tempo, jogando duas vezes por semana, viajar em um País com dimensões continentais como o nosso, enfrentar altitude e os zagueiros dos clubes que disputam a Copa Libertadores da America e ainda ter arbitragem de péssima qualidade.

    Aí eu quero ver o mais Espanhol dos Argentinos parar em pé e conseguir ser o melhor do mundo.

    A CBF tem que fazer sua parte, criando um calendário descente, eu tenho uma idéia, mais fica pra outro desabafo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *