Lulu e os sistema de reputação

Lulu  First Ever App for GirlsPrivacidade é um bem que está mais em baixa que as ações de Eike Batista.

A privacidade como a imaginávamos ou o controle do que é privado, a propriedade das informações a nosso respeito, só é possível naquilo que é íntimo, absolutamente individual e jamais compartilhado. E talvez sempre tenha sido assim. A falta de registros, a disseminação velada de informações a nosso respeito, à nossa revelia e sem que soubéssemos, criou uma ilusão de privacidade que se desfaz numa sociedade de indivíduos conectados por redes sociais. Agora tudo se registra.

Lulu, o aplicativo, é só mais um choque dessa realidade. Ironicamente apresentado como uma “rede privada”, o aplicativo possibilita às meninas registrar, levar a público, sem culpa, o que já compartilhavam em pequenos grupos, o que jamais foi privado.

As redes sociais funcionam como aceleradores de partículas e, dependendo da sensacionalidade do caso, podem criar uma explosão. E é preciso saber lidar com explosivos.

Eu sei o que vocês fizeram na noite passada

Não se controla aquilo que se pensava íntimo se esse momento foi compartilhado, mesmo que com uma única pessoa. E há ainda menos garantia de preservação quando o contrato se estabelece por razões ou motivações emocionais. E é esse o caso do aplicativo.

Lulu valoriza a #hashtag como rótulo, com toda a carga de graça ou preconceito que isso permite, e vai além. Com a possibilidade de dar pontos aos rapazes, as Luluzinhas desestabilizaram o clube do Bolinha. Lulu é um sistema de reputação, essa sim a ação valorizada e com tendência de alta.

A reputação é o novo valor que se sobrepõe à privacidade. E isso pode ser bom, mas nossa geração vai pagar pelo seu histórico, pelo seu desleixo, porque as regras mudaram durante o jogo. Nós não fomos vacinados para enfrentar a revelação das nossas fraquezas.

Nossos filhos saberão lidar melhor com essa realidade se os preparamos para viver em um mundo mais respeitoso, numa sociedade em que as responsabilidades serão cobradas com mais intensidade e a ética determine ou seja a base das relações entre os indivíduos e nas relações desses com o que é público.

Por um Lulu da política

Genoino
Genoíno no Lulu, cria do Kibeloco

Depois das manifestações de junho, escrevi aqui sobre as novas formas de participação e representatividade política que poderíamos vislumbrar no horizonte. Naquela ocasião, citei Joaquim Barbosa e a referência que ele fez a um recall de representantes.

Nós já somos fiscais do Sarney, mas também da reputação do José, da Maria, da Alice, do Benedito… Logo teremos o Lulu da política, não um aplicativo, mas um sistema de reputação onde poderemos rotular as coisas boas e más, dar notas e verificar o histórico ou em tempo real a avaliação de nossos representantes.

A sensação de um aplicativo como Lulu impõe à sociedade uma discussão sobre o uso de ferramentas de reputação. A experiência de uso traz à tona os benefícios, riscos e danos que um sistema como esse proporciona. E esse exercício cotidiano nos levará a uma maturidade que nos permita usar sistemas semelhantes como apoio à cidadania.

E continuará cabendo ao cidadão o valor da nota que ele dará ao representante rotulado por hashtags como #RoubaMasFaz. No seu íntimo, o indivíduo saberá se esse sujeito o representa ou não.

Talk of the town

Google Trends
Buscas por “app lulu” no Brasil nos últimos 30 dias [Google trends]

Leia também

Público x privado: você é o que você é
No mundo online você tem que andar na linha

2 comentários sobre “Lulu e os sistema de reputação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *